O Momento

08:49:00

Tudo tem sua hora. Por que não respeitamos isso? Por que desejamos conduzir as coisas da nossa forma e temos tanta ansiedade para que tudo se resolva logo?

Quando encontramos alguém queremos logo conhecer a pessoa, desvendar os seus mistérios e descobrir se ela é confiável ou não. Mas de onde vem a confiança senão da ação do tempo que mostra quem são as pessoas e o valor das coisas?

Temos que aceitar a ação do tempo. Aprender a esperar é uma arte e uma grande prova de amadurecimento para um mundo em que tudo tem prazo, de validade inclusive. Precisamos tanto assumir o controle das coisas que não permitimos que as coisas durem mais do que supostamente deveriam. Temos pressa de que tudo termine, e não entendemos: Por que esperar? Por que amadurecer? Nos esquecendo que frutas consumidas antes da hora se tornam rígidas e sem gosto. Verdadeiros venenos para o paladar e a saúde.

O tempo, como dizem os Mestres, é um grande escultor e a paciência o seu cinzel. Mas o que fazer com a nossa personalidade tão desejosa de exercer o controle e cristalizar os fracassos e derrotas?

Devemos trabalhar com metas. E essa verdade assumida temerosamente por muitos dói demais pela falta de discernimento em não saber o que fazer; não ter metas, portanto, também é não saber ao certo o que desejar. Como fazer planos para o futuro se as coisas do nosso presente não são claras?

Essa história de planejamento perturba muito. Várias vezes invejamnos quem tinha uma idéia concreta do que faria da vida, mas percebemos que muita gente não sabe prever o futuro e que não estão sozinhas nesta situação de não saber como conduzir a própria história.

Temos que viver lindamente o momento presente fazendo o melhor. Sendo feliz, tratando bem as pessoas. E mesmo que estejamos atravessando adversidades, precisamos nos manter otimistas.
O melhor caminho para saber o que fazer, é sem dúvida, o autoconhecimento através da leitura, com o outro... justamente porque quanto mais expandimos nosso conhecimento e nosso contato com o próximo, mais amadurecemos no nosso caminho e nas nossas escolhas. E, assim, as diretrizes do destino vão se tornando mais claras. Com o passar do tempo, agindo com essa abertura, as coisas vão acontecendo e nossas potencialidades virão para fora.

Vejamos uma história para ilustrar um pouco do que lemos:

Um jardineiro ficou responsável por cuidar da fonte e da manutenção de um jardim que ofereceu, há pouco tempo, lindas e suculentas mexericas de dois pés. Pois bem, agora, essas mesmas árvores que ficaram cheias de frutos estão perdendo as folhas... E, assim, o lindo jardim diariamente tem que ser varrido e as folhas recolhidas, inclusive da fonte que fica coberta de um manto verde.

O jardineiro, para agilizar seu trabalho, chocoalhou bem as árvores pensando assim:

"Quem sabe, as folhas caem hoje e amanhã não terei que limpar?"

Como era previsto, nada disso aconteceu. Nem uma folhinha caiu com aquele balanço artificial. O jardineiro, desconsolado em sua aventura, constatou, rindo de sua pretensão em agilizar as coisas, que tudo tem seu tempo. E no dia seguinte, para tristeza dele, o jardim novamente estava coberto de folhas e ele teve que se contentar com seu aprendizado e varrendo o chão sentiu na pele o ensinamento de que há uma sabedoria em tudo.

Lembre-se que nem sequer uma folha cai da árvore se não for da vontade divina e no seu devido trempo, o que será então de nossas vidas?


*Adaptação livre

Você Vai Gostar de Ler

1 comentários