Prática Amorosa

02:37:00

Libertação de Bloqueios Sexuais

Se você deseja melhorar suas experiências sexuais, o último lugar para começar esta prática é na cama. O sexo é naturalmente espontâneo; é tanto uma expressão quanto uma liberação, excitação e relaxamento.

O melhor sexo é o mais aberto e menos planejado; portanto, planejar o não-planejado é mais ou menos uma contradição em termos. Não há maneira de praticar a espontaneidade. Para melhorar sua experiência sexual, primeiro livre-se de suas expectativas.

A energia sexual é neutra; você pode associá-la com qualquer coisa, positiva ou negativa, em sua vida. O que quer que você espere que seja o sexo, ele tenderá a ser. Os ditos problemas sexuais são na verdade comportamentos aprendidos que bloqueiam o fluxo livre da energia sexual.

Tanto nos homens quanto nas mulheres, a fisiologia do sexo é muito delicada e facilmente influenciada pela mente. É sua mente que julga que o sexo é "bom" ou "mau"; é sua mente que intervém para evitar o orgasmo ou a potência - exceto nos casos de doenças que imponham limitações físicas.

O dilema é que ir para cama sem expectativas parece impossível, devido ao modo como a mente funciona. Quando a experiência sexual era incipiente, continha uma qualidade de surpresa e inocência. Mesmo se não pudermos nos lembrar de nosso primeiro orgasmo, a maioria de nós se lembra como o orgasmo era diferente das outras sensações agradáveis. Seu ineditismo e intensidade faziam com que quiséssemos mais, mas à medida que você repete qualquer sensação, ela se torna familiar, e a familiaridade leva ao tédio.

Para muitas pessoas, o sexo tornou-se associado com o desempenho. A questão "como estou indo?" paira sobre a cama. Para outras pessoas, o sexo está associado com a sensação. A pergunta "como estou me sentindo?" é a mais importante em suas mentes. E ainda para outras, a segurança é dominante; a questão "você realmente me ama?" está em suas mentes durante o sexo. Assim que o sexo é limitado por essas associações e necessidades secundárias, deixa de ser livre.

Nada há de errado em buscar necessidades não-relacionadas ao sexo. O orgasmo é um pacote psicológico, e não um reflexo físico. Contudo, por mais que você tenha um bom desempenho ou por melhor que você se sinta, colocar o orgasmo, num espaço determinado separa-o de qualquer significado.

O sexo é mecânico quando não possui significado.

Por muitos motivos, é difícil alinhar nossas naturezas sexuais e sentimentais. O seguinte exercício não se destina a tornar o sexo mais sensível, mas a remover os obstáculos que impedem que o sentimento seja parte integrante do sexo.

Parte Um

Leia a seguinte lista de declarações e escreva "concordo" ou "discordo" ao lado de cada uma. Seja honesto e tenha em mente que ter expectativas não é algo de que devemos ter culpa - é um exercício de autoconhecimento.

1. O sexo é melhor se durar muito tempo.

2. O orgasmo deve ser intenso.

3. Não há sexo sem orgasmo.

4. Sou muito insistente em fazer sexo quando estou a fim.

5. Quanto mais orgasmos, melhor.

6. O melhor sexo que já tive não foi com meu parceiro - ou parceira atual.

7. A impotência decepciona minha parceira. Ou, não ter um orgasmo decepciona meu parceiro.

8. Meu parceiro(a) não é tão aberto(a) a novas posições sexuais quanto eu.

9. Consinto em experimentos sexuais com quem não me sinto confortável só porque meu (minha) parceiro(a) pediu.

10. Quero agradar. Raramente decepciono meu (minha) parceiro(a).

11. Meu (minha) parceiro(a) me desaponta com muito mais frequência do que ele (ou ela) pensa.

12. Não gostaria que ninguém pensasse que me entrego demais ao sexo.

13. Fico com vergonha de discutir algumas das coisas que gosto de fazer na cama.

14. Fazemos sexo com mais (ou menos) frequência do que eu gostaria.

15. Sinto falta do modo como costumava ser o sexo.

16. Eu realmente não penso tanto sobre o sexo.

17. Nosso sexo não é tão bom assim, mas o resto do casamento compensa isso.

18. Tenho fantasias que não compartilho com meu parceiro (minha parceira).

19. Minha mente se distrai durante o sexo.

20. Não sou tão bom (boa) amante assim.

Essas frases muito comuns indicam que todo mundo possui expectativas não muito saudáveis de vez em quando.

Se você concordou com cinco ou menos das afirmações, provavelmente está muito presente em sua sexualidade e aprecia o sexo enquanto ele acontece; não tem muitas expectativas fixas ou adesões a valores externos.

Se você concordou com seis ou mais afirmações, está levando questões para a cama que estão interferindo com o livre fluxo da energia sexual - seu sexo é dominado por preocupações e expectativas egocêntricas.

Se você não concordou com nenhuma dessas afirmações, é um amante altamente evoluído ou não respondeu de maneira tão sincera quanto poderia.

Agora vamos discutir o que você sentiu enquanto lia essas afirmações. Algumas delas possuem uma probabilidade muito maior de despertar cargas emocionais do que outras.

Releia a lista e verifique suas reações emocionais. Você sente-se desconfortável ao ler certas frases? Não sente nada? Estar em um desses extremos implica que a energia sexual está sendo contida - qualquer sentimento reprimido impede o fluxo da energia sexual. Entre os bloqueios mais poderosos estão a vergonha, a culpa, a dúvida, o desencorajamento e o embaraço.

Se você sente uma emoção intensa ao ler "não sou tão bom (boa) amante assim", por exemplo, não é difícil ver que a falta de amor-próprio é um problema.

Alguém que concorda intensamente com "Eu quero agradar. Raramente decepciono meu (minha) parceiro(a)" é igualmente vítima de dúvidas, só que menos conscientemente.

Se você analisar seus sentimentos de desconforto e liberá-los, vai fazer mais por sua vida sexual do que se se concentrasse nos mecanismos do sexo.

Você pode liberar bloqueios sexuais da seguinte maneira:

1. Escolha uma afirmação que tenha despertado uma reação emocional intensa, positiva ou negativa.

2. Deite-se, respire fundo e permita-se sentir o que está acontecendo quando pensa sobre a afirmação.

3. Tente entender o significado da afirmação. Se nada vier à mente, tente imaginar que os bloqueios sejam removidos. Uma técnica útil é ofegar em respirações rápidas e superficiais - isso distrai a mente de se apegar a seus bloqueios.

4. Quando tiver algum tipo de resposta - uma imagem, uma compreensão, uma forte onda de sentimento - force a liberação. Respire fundo e exteriorize seja lá o que for que queira sair: um soluço, um grito, um movimento físico, um suspiro profundo, ou simplesmente uma onda de fadiga.

5. Reviva quaisquer memórias que queiram vir à superfície.

6. Quando sentir que está totalmente em contato com a energia emocional por trás da afirmação, tente um esclarecimento da imagem. Respire de maneira constante até relaxar, e qualquer tensão associada com essa afirmação será eliminada.

Quando os bloqueios são removidos, a energia sexual não tem escolha a não ser fluir.

Cada afirmação no questionário possui uma vasta gama de significados que podem ou não se aplicar a você, mas aqui estão os tipos de bloqueios geralmente indicados:

1. O sexo é melhor se dura muito tempo.

Expectativas fixas em relação ao sexo, comparação com outros, normas sociais mais importantes do que a experiência pessoal.

2. O orgasmo deve ser intenso.

Comparação com o passado, valorização da sensação física acima das emoções, egocentrismo, traços de personalidade viciosa.

3. Não há sexo sem orgasmo.

Ansiedade em relação ao desempenho, comparação com o passado, valorização da sensação física acima das emoções.

4. Sou muito insistente em fazer sexo quando estou a fim.

Raiva ou sadismo oculto, egocentrismo, competitividade.

5. Quanto mais orgasmos, melhor.

Fixação no desempenho, atenção dispersa - contando em vez de estar no presente -, comparação com normas sociais, imaturidade emocional.

6. O melhor sexo que já tive não foi com meu parceiro ou parceira atual.

Desapontamento, raiva em relação ao(a) parceiro(a), desencorajamento, incapacidade de estar presente.

7. A impotência decepciona minha parceira. Ou, Não ter um orgasmo decepciona meu parceiro.

Ansiedade em relação ao desempenho, baixa auto-estima, liberação física inibida, raiva oculta.

8. Meu(minha) parceiro(a) não é tão aberto(a) a novas posições sexuais quanto eu.

Falta de comunicação, fixação na fantasia ou em sensações, má opinião sobre o(a) parceiro(a).

9. Consinto em experimentos sexuais com que não me sinto confortável só porque meu(minha) parceiro(a) pediu.

Dependência excessiva, baixa auto-estima, falta de comunicação.

10. Quero agradar. Raramente decepciono meu(minha) parceiro(a).

Ansiedade em relação ao desempenho oculta pelo sucesso do desempenho, egocentrismo, competitividade.

11. Meu(minha) parceiro(a) me desaponta com muito mais frequência do que ele (ou ela) pensa.

Dependência excessiva, baixa auto-extima, abusos no passado, desapego do impulso sexual.

12. Não gostaria que ninguém pensasse que me entrego demais ao sexo.

Valorização das normas sociais acima da satisfação pessoal, desapego do desejo sexual, baixa auto-estima.

13. Fico com vergonha de discutir algumas das coisas que gosto de fazer na cama.

Fixação na fantasia, desconfiança do parceiro, julgamentos negativos sobre o sexo por parte dos pais.

14. Fazemos sexo com mais (ou menos) frequência do que eu gostaria.

Dependência excessiva, baixa auto-estima, falta de comunicação.

15. Sinto falta do modo como costumava ser o sexo.

Falta de comunicação, distrações externas, afastamento do parceiro.

16. Eu realmente não penso tanto sobre o sexo.

Desapontamento ou raiva em relação ao parceiro, baixa auto-imagem, julgamento contra o impulso sexual.

17. Nosso sexo não é tão bom assim, mas o resto do casamento compensa isso.

Inércia, falta de atenção ao sexo, distrações da intimidade.

18. Tenho fantasias que não compartilho com meu parceiro (minha parceira).

Falta de comunicação, medo do impulso sexual, abusos no passado, desconfiança.

19. Minha mente se distrai durante o sexo.

Inibição, desapontamento ou raiva em relação ao parceiro, distração do impulso sexual, estresse elevado.

20. Não sou tão bom(boa) amante assim.

Dependência excessiva, auto-imagem ferida, trauma sexual no passado, julgamento contra o sexo.

Essas são interpretações muito gerais no que é uma vasta gama de possibilidades. Achar que você não é um excelente amante, por exemplo, pode ser o sinal de uma coisa leve, como a inexperiência sexual, ou algo grave, como a depressão clínica.

Em vez de considerar essas caracterizações como um diagnóstico ou julgamento, veja se elas mostram o caminho para questões ocultas que você pode não estar encarando.

A questão não é fazer com que você ache que há algo errado com sua pessoa, só atiçar seu posicionamento para o encontro de uma solução.

Deepak Chopra

Você Vai Gostar de Ler

0 comentários