Ninguém Esconde Nada de Ninguém

01:03:00

Há milênios a maioria acredita que o corpo pouco tem a ver com o íntimo - e que sempre será possível disfarçar o que sentimos.


Mas estamos dizendo - e mostrando: ninguém esconde nada de ninguém; somos todos transparentes diante dos olhos de um bom observador interessado.

Sua namorada ou sua mulher, pode crer, te percebem - demais! - enquanto estiverem interessadas em você, seja porque te amam, seja porque te odeiam!

Existe, como nos ensinou Bergson, uma memória de imagens - tida como se fosse toda a memória - e uma memória de posição e movimento, capaz de guardar e integrar toda a vida passada, mas bem fora de alcance da consciência comum; ao alcance, porém, de um sentido bem conhecido dos neurofisiologistas mas ignorado por todos os demais: a propriocepção, nosso senso de movimento e de posição.

Temos todos seis sentidos, e não cinco, mas quase ninguém sabe disso. Muito da atividade clínica de Reich consistia em apontar, mostrar ou imitar as maneiras, caras e posições da pessoa até ela perceber - pela propriocepção - esses jeitos e caras, até ela fazer de si mesma uma imagem compatível com o que mostrava - e os outros viam.

Nossos músculos, juntas e tendões estão recheados de orgânulos sensíveis a tensões, trações, compressões e movimentos; se treinarmos, poderemos ganhar consciência cada vez mais fina dessas realidades - também "internas" mas sensoriais, fáceis de sentir, como é fácil ver com os olhos ou cheirar com o nariz.

Repare nestas palavras: intenção (em tensão), contração (ação contra), contensão (com tensão). Como você se contém? Com-tensão! Então vamos lá. Feche os olhos e mova um braço, devagar, sentindo como se faz esse movimento; o que lhe permite sentir tal movimento é a propriocepção.

Ela comunica à consciência as noções/sensações de pre-parados (parados antes!), expectantes, prontos para brigar, prontos para se afastar, prontos para abraçar ou controlando-se, "segurando-se", fechados. São todas elas, atitudes tanto "mentais" quanto "corporais". Todas elas são bem "desenhadas", diferentes umas das outras, todas elas preparação para atos igualmente bem determinados, todas elas visíveis para os outros e invisíveis para o sujeito.

Não parece, mas a briga de casal começa aqui, nas expressões e/ou na linguagem não-verbal, tudo quanto "dizemos" com o corpo, a face e a voz. A maior parte das brigas começa por aí. Exemplos: "Manhê, olha ele olhando pra mim daquele jeito!", "Não aguento mais olhar para sua cara de enjoada", "Ai, que jeito mais antipático", "Você é de um orgulho!" (jeito de orgulhoso), "Não adianta se fazer de vítima!" (jeito de vítima), "Por que você me olha com essa cara?".

Há milênios a maioria acredita que o corpo pouco tem a ver com o íntimo - e que sempre será possível disfarçar o que sentimos. Na verdade, negar a possibilidade de disfarçar sentimentos e tendências desagradáveis é comprometer toda a pirâmide de poder e vários costumes sociais.

Também nessa área das caras e jeitos a sociedade arrumou bem as coisas. Aprendemos desde muito cedo que "não se deve" dizer o que estamos vendo na cara ou no jeito de mamãe, do papai, do professor, papa, presidente, patrão.

Imagine as seguintes frases ditas para o interessado: "Mãe, você é muito invejosa e despeitada", "Pai, o senhor tem medo da mamãe", "Fessor, o senhor não está interessado no que está dizendo", "Fessora, a senhora tem uma voz estridente que raspa o ouvido da gente", "Chefe, o senhor parece que tem o rei na barriga", "Senhor deputado, vossa seriedade não convence ninguém".

Em todos esses casos, melhor cantar com o coro e mostrar que acreditamos na sua sabedoria do que dizer aquilo que todos estão vendo - menos o sujeito.

"Quem vê cara não vê coração." Será? Reich, as mulheres, os policiais e os bons psicólogos sabem muito bem: vendo a cara estamos vendo todas as emoções a se formar e crescer nas pessoas, a raiva, a inveja, o desprezo, o orgulho, o sorriso de pouco caso, a indiferença, a curiosidade e quanto mais!

J. A. Gaiarsa

Você Vai Gostar de Ler

0 comentários