Amizade e Relação Amorosa

15:35:00

Aprendemos a pensar sobre as amizades como sendo um forte elo emocional entre pessoas do mesmo sexo, que se caracteriza pela ausência de interesse sexual, ao menos de forma explícita. Por essa perspectiva, a amizade corresponderia ao fenômeno do amor, livre de ingredientes eróticos. Qualquer intromissão do tipo seria fatal. A amizade desapareceria, transformando-se em relacionamento amoroso.

Cabe registrar o caráter extremamente dramático relacionado com a ruptura dos elos de amizade, em especial quando ela se dá por uma inesperada decepção com o amigo. Além da frustração pelo fim da relação gratificante, resta o gosto amargo de não se poder confiar em mais ninguém, uma espécie de decepção com toda a humanidade. Sobra também a desconfiança em relação a nós mesmos, que pensávamos ter um critério apurado para saber quem é o outro e, de repente, somos surpreendidos por um grave erro de avaliação.

A observação serve de deixa para que eu reafirme a importância de distinguirmos entre um verdadeiro elo de amizade e as ligações superficiais com pessoas conhecidas, que muitos chamam também de amigos. Amizade é coisa séria; já os conhecidos são muitos e, quase sempre, nem os conhecemos bem. Podemos ter uma impressão favorável de muitos deles, e até mesmo desenvolver um relacionamento íntimo. Mas amigo é aquele em quem confiamos plenamente. Como regra, a amizade não envolve coisas práticas, a não ser pequenas trocas de favores ou ajuda em situações dramáticas. A amizade deveria ser importante na escolha de parceiros e sócios em geral, mas isso não corresponde aos fatos.

A partir dos anos 70, muitos dos nossos processos íntimos se alteraram. Uma das causas da mudança é a crescente igualdade entre os sexos. As amizades se tornaram frequentes entre pessoas de sexos opostos. Mas, nesse caso, pode surgir um ingrediente difícil de administrar – o do desejo sexual. Refiro-me a verdadeira amizade, não aquilo que os paqueradores chamam de “amizade colorida”, para sofisticar um discurso de sedução em que o objetivo é a intimidade sexual descartável.

Para as pessoas mais sérias, e falando de amizade verdadeira, cuja preservação é muito importante, o tema é intrigante. Só por puro preconceito ou por medo um homem e uma mulher deixam de parecer atraentes um para o outro em função da amizade. Era assim no passado, quando o uso da palavra amigo determinava que a sexualidade inexistia. Gostar de estar junto, de trocar ideias sobre as coisas relevantes e as sem importância, achar graça na forma do outro ser, falar, rir etc. Tudo isso, em princípio, deveria despertar o desejo de intimidade física. Será mais razoável termos intimidade física com uma pessoa amiga e confiável do que com alguém desconhecido.

Na vida real, as coisas não acontecem assim por variadas e complexas razões. Somos mais apegados aos preconceitos do que pensamos. E amizade é algo que, por princípio, não inclui sexo. Ao pensar em intimidade física entre amigos, surgem dois medos. O óbvio é o de perdemos o amigo, por algum tipo de contratempo; e o outro, talvez o mais importante, é o de que a amizade, com a introdução do elemento erótico, se torne uma paixão fulminante.

Flávio Gikovate

Você Vai Gostar de Ler

0 comentários