Ode ao Reencontro

22:07:00

Ainda hoje te procurei de novo. Em meus sonhos, busquei pelo som preto e branco do teu sorriso. Tua vontade de viver. Flor. Girassol que fez um pacto para uma vida nova e virou-se na direção do calor.

Dos teus lábios o canto suave do teu sorriso me foi dado generosamente. Da tua voz, argumentos que me alegravam mesmo quando não dirigidos a mim. Tão distantes... Tão sonhados...

Tentei colocá-la em meu peito, mas quando menos esperei, teu perfume fluiu entre os meus dedos. Decerto não foi feita para viver uma vida sobre a areia. Anseias muito mais do que isso. Te ouvi entre o som de uma onda e outra. Te ouço mesmo distante do mar.

Carrego pedras então desde que te vi, para que um dia possa te ajudar na construção do alicerce de teu ninho. Um lugar alto como os pássaros que refletem você; Um lugar baixo como a pequenez que carrego por não ter sido ainda percebido.

Me elevei, tornei-me forte, quis sua proximidade... Mas teus pés te conduziram para longe. Não tão distante que eu te esquecesse; Não tão perto que eu te alcançasse...

Te espero em silêncio. Trago comigo a esperança de que estes versos te alcancem.

Conheço os obstáculos mas não me concentro neles.

Me concentro no teu sorriso... No caminho que ele, prateado, ilumina.
Me concentro no perfil do teu rosto... Na moldura feita pelos teus cabelos.
Me concentro no interior de tua essência, porque onde você estiver, também estarei.

Alexandre Barreto

Você Vai Gostar de Ler

2 comentários