As Certinhas e as Erradas.

22:07:00

Ela virou pra mim, de repente, e disse:
- De que adianta ser certinha?! São as erradas que têm os melhores caras. 

Confesso que não me veio uma resposta à cabeça de imediato. Eu era um cara, e por quantas vezes desejei uma "errada" na minha vida?!? Foram segundos que duraram horas de silêncio ao telefone, interrompidos por ela novamente: 
- Você ainda está aí?! A ligação caiu?! 
- Não, não. Estou aqui sim. É que... - neste momento eu inventei qualquer desculpa pra me defender da constatação óbvia dela. 

Na boa?! Ninguém é santo hoje em dia, certo?! Eu, particularmente, não curto relações paralelas e não faço parte da tendência atual do "ficar"; gosto de tudo bem claro num relacionamento e costumo conversar bastante conforme os laços vão criando um envolvimento maior. Mas acredito que exista um acordo velado entre as pessoas hoje em dia. 

Sabe aquele lance de "vista grossa"?! De faixa de tolerância?! As pessoas demoram mais para entrarem numa relação, e então, se percebem algum indício de desvio de comportamento, fingem que não veem no primeiro, segundo e até terceiro momento. Mas está lá estampado na cara de todo mundo que aquela relação começou errada. Daí, o acordo velado entra em ação: "Ah, mas ela é tão bonita", "Tudo bem, ele está comigo mesmo.", "Não tem problema, também posso ficar com outra pessoa." 

Nesses pequenos acordos, a pessoa essencialmente boa, não entra no jogo de trair momentaneamente e acumula pra si a culpa de carregar algo que não merece. Ela vive aquilo para o qual seu DNA não foi programado: Começa a perda da identidade... 

- Olha - continuei -, você precisa entender que quando elas botam a cabeça no travesseiro à noite, antes de dormirem, sabem que aqueles caras que vivem em função das mulheres erradas, só têm um defeito: Querem sempre mais de uma! Então, elas nunca terão exclusividade, cumplicidade, parceria... E um belo dia, eles resolvem voltar para as certinhas e finalmente sossegam. 

Foi então a minha vez de ouvir o silêncio em nossa ligação. E depois de alguns segundos, ela disse: 
- Pode ser. 

Quando terminamos de nos falar, fui pensar no que havia dito. É sempre assim comigo por mais estranho que pareça: Quando converso com alguém, acabo me conhecendo e descobrindo as coisas nas quais acredito. 

Naquele dia redescobri que ainda acredito na pessoa certa, no momento certo, com as afinidades e defeitos que meu coração suporte. Não quero - e não posso - acelerar meus passos, nem jogar fora minhas crenças por alguém que seja diferente demais e esteja buscando algo que eu não traga em mim. 

Entre pessoas certas e erradas, entre as reais e virtuais, entre as boas e as más, existe espaço pra tudo aquilo no qual acreditamos: Nossos valores. 

Você Vai Gostar de Ler

8 comentários